A Vulva é a região dos genitais externos da mulher. Monte de Vênus é a proeminência da região púbica, sendo a região onde se desenvolvem maior número de pelos e de acúmulo de gordura. Abrindo-se os lábios da vulva, na região superior vamos encontrar o clitóris, um pequeno órgão protuberante, macio e muito sensível. É o órgão responsável por grande parte do prazer sexual da mulher. Sendo uma região muito sensível pela grande quantidade de terminações nervosas, é o ponto mais responsivo à estimulação direta. Na masturbação, o orgasmo é atingido pela fricção direta do clitóris.

Os Pequenos Lábios ou Ninfas são como duas pequenas abas finas sem pelosidade que protegem o óstio vaginal, a entrada da vagina. Durante o processo de excitação eles ficam intumecidos, aumentando sensivelmente durante a penetração.

As Glândulas de Bartholin ficam situadas por de trás dos pequenos lábios, uma de cada lado. Durante o processo de excitação estas glândulas secretam um fluido que facilita a lubrificação e a penetração. Os Grandes Lábios são como duas abas maiores, sobrepostas aos pequenos lábios. Começam no monte de Vênus e terminam no períneo. São a parte mais externa da vulva e são cobertos de pêlos. O Períneo é o espaço que existe entre o orifício anal e a vulva. A Uretra é o pequeno orifício encontrado entre o orifício vaginal e o clitóris por onde se conduz a urina da bexiga para fora.

O Hímen é uma pequena dobra de pele que fecha, parcialmente a entrada da vagina. Existem muitos tipos de hímen e o mais comum é o chamado anelar por ser semelhante a um anel. Pelo orifício himenal, o óstio vaginal, são eliminadas as secreções internas e após a puberdade a menstruação. Em circunstâncias normais o hímen se rompe durante a primeira relação sexual, mas isto pode ocorrer acidentalmente sem que a mulher tenha tido alguma experiência sexual. Existem tipos de hímen que são denominados ” complacentes ” e não se rompem facilmente durante uma ação sexual, pois são constituídos de fibras mais elásticas que permitem um intercurso sexual sem lesão.

O Conduto vaginal começa após os pequenos lábios e termina junto ao colo do útero. Possui uma variação em tamanho, de mulher para mulher, que vai de 7,5 a l2;5 cm de comprimento. Tem a forma de um tubo achatado pois as paredes se tocam. A elasticidade do conduto vaginal, possui uma capacidade de expansão que permite que se ajuste a qualquer espessura do pênis. Sua expansão maior ocorre durante o parto e após algum tempo ela retorna ao estado anterior. Durante a excitação a vagina se dilata e aparecem pequenas gotas de fluido lubrificante sobre a parede vaginal. Estas gotas são um indicio de excitação e ocorrem no sentido de facilitar o processo de penetração.

Em estado de excitação os vasos sangüíneos das paredes vaginais enchem-se de sangue aumentando sua sensibilidade e possibilitando satisfação para a mulher.
O Colo do útero é a parte mais estreita do útero localizada e em contato com a extremidade final do conduto vaginal. Possui uma abertura muito pequena por onde passa o fluido menstrual mas sua elasticidade permite a passagem do bebê durante o parto.

Por esta abertura é que os espermatozóides passam na tentativa de fecundação. O Útero tem o formato de uma pêra com a parte mais estreita voltada para baixo. Mede de 7,5 a l0 cm. de comprimento por mais ou menos 7,5 cm. de largura. Durante a gravidez chega a medir 27 a 30 cm. de comprimento. As paredes uterinas são muito espessas e de grande elasticidade pois elas abrigam o feto durante seu crescimento e após o parto retomam suas medidas anteriores.