A média de comprimento do homem brasileiro é de 13,5 cm. Quando o pênis é menor, muitas vezes o curso de penetração acaba se tornando insuficente para estímulo vaginalclitoriano adequado, além de escapar com facilidade e difícil para certas posições.

Utilizamos como indicação para o alongamento peniano, as normas da Associação Americana de Faloplastia e do Consenso Brasileiro em Estética Genital promovido pela Sociedade Brasileira de Medicina Sexual:

1) Funcional – Esta indicação seria para pênis com menos de 10 cm de comprimento em ereção, ou com menos de 9 cm de perímetro no terço distal, em ereção.

2) Malformações penianas – Acompanham geralmente micropênis, hipospádias, epispádias e fibroses do pênis (traumáticas ou não).

3) Pós-próteses penianas com ereção residual fraca ou retração por fibrose.

4) Estética – Em pacientes que no seu auto-entendimento tenham um pênis pequeno.

Quando da necessidade do uso de extensor peniano há que seguir os seguintes passos:

1. ADAPTAÇÃO 10-40 dias sem o uso de força.

2. DINAMOMETRIA 3-6 meses com força moderada.

3. DINAMOMETRIA+MEDICAMENTOS por 6 meses.
4. CIRURGIA DO LIGAMENTO PENIANO:

Consiste na secção do ligamento suspensório do Pênis. Este procedimento, realizado de maneira ambulatorial, com anestesia local assistida, pode dar um ganho, se bem indicado, de até 5cm no comprimento do pênis.

Esta cirurgia não compromete a ereção em nenhum momento. O mecanismo de ereção do pênis é baseado no enchimento de sangue nos corpos cavernosos e a manutenção deste sangue lá dentro.

O ligamento suspensório não tem qualquer relação com os corpos cavernosos ou alguma função anatômica de sustentação peniana. Por isso da tranquilidade da cirurgia.

A recuperação é muito rápida, praticamente indolor, e a volta à atividade sexual se dá em 30 dias.

5. DINAMOMETRIA DE MANUTENÇÃO para evitar a retração cicatricial