A Himenoplastia é a reconstituição do hímen. O anel himenal na grande maioria das culturas da Terra significa “pureza”. Não há por tanto, como questionar a necessidade que muitas mulheres de todas as culturas têm, para as quais o tema “virgindade” é de muita importância por razões culturais, sociais ou religiosas.

       O valor da virgindade é  um conceito pessoal ou de tradição social ou familiar, por vezes considerando-se vários graus morais e/ou físicos de castidade, desde a abstenção total de qualquer atividade relacionada com sexo (incluindo ausência de masturbação) a ter, ou não, consumado o ato sexual “normal” por penetração em que, no caso de uma mulher, se dá o rompimento do hímen.

O hímen é uma membrana fina e elástica na base dos pequenos lábios que fecha, parcial ou completamente, o intróito vaginal ou o rodeia como um anel rugoso.

       O hímen quase que passa despercebido, confundindo-se com os pequenos lábios e o vestíbulo vaginal. Com relativa facilidade, pode ser examinado visualmente ou por tato. Seu rompimento, na maior parte das vezes, causa um pequeno sangramento e uma ligeira dor, tudo dependendo da sua elasticidade e do tamanho que possa ter. A função do hímen parece ser a de dar mais proteção ao canal vaginal, impedindo a entrada de detritos ou reduzindo a oportunidade de invasão bacteriana.

       Há casos de hímens ditos complacentes, que se não rasgam nas primeiras relações por serem muito flexíveis ou por terem um orifício muito grande. Por tanto pode haver a possibilidade da mulher não ser virgem e ter o hímen intacto. É muito pouco provável uma menina nascer sem hímen. No feto de uma menina a entrada vaginal está totalmente bloqueada por esta membrana. Algum tempo antes de nascer, esta membrana rompe-se parcialmente, gerando uma segunda, e finalmente, um hímen de características muito variáveis como definido no início,  tornando-se mais resistente com a idade. Ou seja, o hímen de uma moça de 30 anos, por exemplo, é mais resistente ao rompimento do que o hímen de uma moça muito mais jovem.

       Durante a excitação sexual na mulher, os lábios da vulva e o clitóris aumentam de temperatura e de tamanho. A entrada e o canal vaginal tornam-se mais úmidos devido à transudação das suas paredes e secreções do útero e das glândulas de Skene, e a zona perto da vulva alarga-se e sobe, o que permite uma melhor penetração do pênis e dos seus movimentos  durante o coito e conseqüente rompimento do hímen.

       Depois do primeiro parto, os restos do hímen modificam-se e tomam o nome de carúnculas mirtiformes. Um hímen “perdido” pode ser reconstruído com a himenoplastia.

       O procedimento é realizado sob anestesia local do períneo. É realizada a plastia do anel himenal pela sutura das partes rompidas durante a primeira penetração. O fio de sutura é reabsorvido não havendo necessidade de tirar os pontos. A paciente pode realizar o procedimento e ir para casa logo a seguir.

       Orientamos a paciente sobre a dor à penetração na “primeira” nova relação sexual, sugerindo boa lubrificação através de carícias prévias e do uso de lubrificante gel aquoso.

       Nosso trabalho está em acolher as pacientes deixado-as o mais tranqüilas possível. Não é função do Médico Esteta Genital questionar preceitos e dogmas religiosos ou culturais.